Oboicoteacabou:asmarcasestãodevoltaaoYouTube

Os anunciantes podem dizer o que quiserem, mas é difícil resistir às plataformas gigantes de vídeo. Um exemplo claro disso foi o recente "boicote", com uma série de marcas anunciando que não estariam no YouTube, pois estavam aparecendo ao lado de conteúdo ofensivo. Apesar das manchetes, o fato é que as receitas não caíram, segundo as empresa de monitoramento de anúncio Pathmatics e MediaRadar. "Foi mais um soluço", comentou Joel Espelien, analista de The Diffusion Group, "e a maioria dos anunciantes ficaram convencidos com os novos filtros de conteúdo do YouTube que podem evitar a maioria, embora não todas, as situações desse tipo." Fonte: Digiday