Estudomostraque15%dosanúnciossãoentendidosrapidamente
Patrocinado por

Um novo relatório, "Make a lasting impression", divulgado na semana passada pela Kantar Millward Brown revela que menos de um em cada sete anúncios são projetados para transmitir uma forte mensagem emocional que os consumidores consigam absorver rapidamente. Ele tomou como base a análise de um banco de dados com 160.000 anúncios avaliados, para demonstrar como o entendimento dos fatores que geram alto engajamento pode trazer maior efetividade às propagandas, comprovando que a publicidade com alto impacto criativo, conseguida com base no apelo emocional, traz melhorias significativas nas expectativas de vendas de curto prazo que se traduzem um aumento de participação de mercado. A instituição também analisou as vendas pós-campanha em 1700 casos, e o resultado da análise mostrou que um forte foco sobre a relevância emocional e no engajamento criativo leva a um maior retorno financeiro. Resultados semelhantes foram demonstrados pela codificação facial, abordagem baseada na neurociência que tem sido usada para acessar a resposta não verbalizada do consumidor aos anúncios de mais de 9000 marcas líderes, médias e grandes.  25% dos anúncios que mais geram expressões faciais positivas têm uma melhor performance em gerar vendas incrementais. Ao mesmo tempo, o relatório também analisou durante uma semana a comunicação transmitida em televisão, vídeos pre-roll e redes sociais e os resultados mostraram que apenas 15% dos anúncios são inteiramente baseados em mensagens implícitas que as pessoas podem absorver facilmente. Silvia Quintanilha, VP de client service da Kantar Millward Brown comentou: "Os profissionais de marketing devem ir além da mensagem e concentrar-se nas impressões que gostariam que os anúncios e a marca deixem para os consumidores. Isso inclui a ideia criativa, o que é dito no anúncio, como a história é contada e o tom emocional. É o momento de cuidar mais da forma como transmitem os benefícios funcionais para buscar uma resposta emocional. Apenas o funcional não é mais suficiente.” Fonte: Adnews