Appsinvestememsegurançaparagarantirquedadosdosusuáriosnãosejamvazados

 

É cada vez mais comum ouvir notícias sobre exposição de dados pessoais através de aplicativos. Há pouco tempo, o presidente e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou uma série de medidas para melhorar a proteção à privacidade de seus usuários, depois que foi revelado que milhares de senhas do aplicativo Instagram tinham sido vazadas. O Whatsapp prometeu o mesmo depois que foram confirmados que dados estavam descobertos. “O advento dos aplicativos em celulares é, provavelmente, uma das grandes revoluções da Era Digital. Com um simples toque, a tecnologia permite que bilhões se conectem através das redes sociais, quebrando barreiras e preconceitos e unindo interesses em comum”, comenta Otávio Tranchesi, diretor de marketing do Chama, aplicativo que reúne revendedores de botijões de gás a consumidores. Junto com as facilidades, os riscos também aumentaram, já que para usufruir desses serviços é preciso fornecer importantes dados pessoais. Embora o controle seja naturalmente difícil, pela capilaridade, diversidade e quantidade de informações presentes pela rede, há diversos aplicativos que garantem o sigilo absoluto de dados e que investem em tecnologia de proteção. No Brasil, há uma legislação específica para o assunto, aprovada em 2018. A PLC 53/2018 garante maior controle dos cidadãos sobre suas informações pessoais, já que exige um consentimento explícito para coleta e uso dos dados dos usuários, tanto para empresa como para as operadoras de telefonia e sinal móvel que, até então, davam pouca atenção ao assunto. A principal dica de Tranchesi é seguir a velha dica: “todo cuidado é pouco”: “Na hora de baixar o próximo serviço de entrega, ou a nova rede social da moda, avalie as informações fornecidas e que tipo de proteção é garantida pela empresa, para ter a tranquilidade de compartilhar apenas o que quer que seja visto e utilizar das praticidades do mundo moderno sem medo”. Fonte: IP News

Eventos

17 Out, 19
19 Out, 19